Você sabe ler rótulos?

  • 2 min ler

Você sabe ler rótulos?

 Ao comprar um alimento industrializado, você costuma olhar o rótulo? Pois, sabia que ler o rótulo e entender a tabela nutricional é o primeiro passo para conhecer a qualidade de um produto e o quanto de nutrientes ele oferece. Porém, se você é daquelas pessoas que só olha as calorias, preste atenção: A lista de ingredientes é mais importante do que as temidas calorias! A compreensão da lista de ingredientes possibilita a escolha de produtos mais nutritivos e com ingredientes naturais, sem excesso de açúcar, sal, gorduras e aquele monte de nome estranho com pronúncia difícil (os tais corantes, conservantes e aromatizantes artificiais).

 

No Brasil, é a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) que controla e regulamenta os rótulos. Existem dois lugares nas embalagens que merecem uma atenção maior: a lista de ingredientes e a tabela nutricional. A lista de ingredientes deve aparecer, sempre, em ordem decrescente, ou seja, o primeiro ingrediente é o que está em maior quantidade no produto seguido pelos ingredientes com menores quantidades.  Por exemplo, se você for comprar um suco e o primeiro ingrediente for açúcar, fique atento, pois, isso significa que a quantidade de açúcar presente nesse suco é exagerada e, provavelmente, também há poucos nutrientes.  

 

A tabela nutricional deve seguir um padrão, onde está o valor energético (as famosas calorias), as quantidades de carboidratos, proteínas, gorduras, fibras e sódio presentes no produto. Essas informações ficam na coluna do meio, e na última deve aparecer o percentual de valor diário correspondente (%VD). Ele refere-se à quantidade, em percentual, do nutriente presente no produto de acordo com uma dieta de 2000 kcal/dia. Esse valor de calorias/dia utilizado, foi estabelecido através de uma média do consumo calórico da população brasileira adulta saudável. Assim como o valor calórico, cada nutriente tem pré-estabelecido uma quantidade diária a ser consumida, de forma que as 2000 calorias sejam bem distribuídas, sendo possível visualizar na tabela nutricional a quantidade de nutrientes que o produto vai contribuir no seu dia. Por exemplo, se na tabela de uma granola constar 30g de carboidrato, significa que ela contribuirá com 10% do total de carboidrato recomendado para o consumo diário. É importante ressaltar que o valor energético diário não é igual para todos e depende das necessidades energéticas estabelecidas individualmente.

 

Além disso, atente-se à porção presente no comecinho da tabela nutricional, pois na maioria das vezes, os valores informados não correspondem a todo o conteúdo presente na embalagem, mas a uma quantidade recomendada para o consumo diário.  Produtos com um alto teor de sódio, por porção, devem ter o consumo moderado. E, por último, que parece óbvio, mas não é: olhe sempre a data de validade! A data de validade e as condições de armazenamento após a abertura das embalagens devem estar presente de forma legível, pois são fundamentais para que a qualidade do produto seja garantida e evite o surgimento de bactérias e fungos que podem fazer mal à saúde.

Escrito em colaboração com a nutricionista consciente Ale Luglio.

 

 

Buscar