Estresse, o Mal do Século

  • 4 min ler

Estresse, o Mal do Século


Até pouco tempo atrás vivíamos uma vida analógica, nos comunicávamos por cartas, depois por telegramas, telefone, fax e celular. A evolução dessas formas de comunicação encurtou o tempo e diminuiu a distância entre as pessoas. Um documento que demorava dias para chegar ao seu destinatário, com o fax, passou a chegar em uma questão de minutos.

O telefone nos possibilitou discutir questões de trabalho, conversar com parentes distantes e comunicar uma emergência instantaneamente. A TV trouxe a possibilidade de enxergarmos o ser humano a pisar na lua. Tudo isso vem evoluindo em uma velocidade muito alta. As mensagens que “ontem” demoravam para chegar*, hoje chegam imediatamente.

Quando eu fui estudar nos Estados Unidos, em 1994, fazia ligações telefônicas super rápidas para minha família, pois o custo era proibitivo para conversas longas. Escrevi muitas cartas e muitos cartões postais para família e amigos. Usei pela primeira vez a internet e emails, por meio das quatro únicas estações de internet da universidade, localizadas na biblioteca.

Após minha graduação em gestão de negócios, fui trabalhar, lá mesmo, para uma Start-up revolucionária (na época) que oferecia serviços de call-back e posteriormente lançou ligações telefônicas VOIP (voice over IP - ligações digitais, utilizando dados), as quais começaram a baratear os custos de ligação absurdamente e possibilitaram as ligações pela internet.

Hoje você tem acesso a informações de qualquer parte do mundo, a partir de qualquer lugar do mundo e a qualquer momento do dia e da noite. Escrevo esse artigo para você, no meio de uma floresta, com uma conexão por fibra ótica. Você fala com quem você quiser em qualquer parte do planeta, através de um pequeno aparelho celular por vídeo e que você leva para onde quiser. Tudo isso em tempo real. Hoje você pode trabalhar remotamente sem sair de sua própria casa. Sua chefe pode estar em um país diferente do seu e seus colegas de trabalho no mesmo bairro: não faz diferença. Além disso, sua chefe sabe onde você está.

Eric Schimdt disse em 4 agosto de 2010, em uma conferência da TechCrunch (http://techcrunch.com/2010/08/04/schmidt-data/):

“Hoje em dia, o ser humano produz, a cada dois dias, a mesma quantidade de informação que levou do início da civilização até 2003 para produzir.”

Reflitam sobre essa informação! A CADA 2 DIAS, o que nos levou uma “ETERNIDADE” para produzir. Resumindo:(está resumindo ou ampliando a explicação?)

Produzimos uma quantidade quase que infinita de informação (como essa que te escrevo), disponibilizamo-la com uma velocidade quase que instantânea, para pessoas, globalmente, e em várias línguas. Lembro claramente que em 95, softwares de tradução ainda eram projetos.

Esse aumento da quantidade e da velocidade de informação é MUITO RECENTE. Você sabe há quanto tempo o WhatsApp e o Instagram existem? Além de serem recentes (2009 e 2010 respectivamente), estão exigindo um modus operandi que nosso cérebro e nossa fisiologia nunca foram habituados a funcionar, e, talvez, não tenham sido feitos para lidar com essa velocidade de exposição extrema a essa quantidade "infinita" de informação em tempo real.

Talvez, não por acaso, os 26,7% das causas de mortes do mundo sejam provenientes de problemas do coração (OMS, 2018).

Talvez, não por acaso, a depressão atinja mais de 264 milhões de seres humanos ao redor do mundo. Mais mulheres do que homens sofrem com depressão. (OMS, 2017)

Talvez, não por acaso, a ansiedade atinja mais de 284 milhões de seres humanos ao redor do mundo. (OMS, 2017)

E trazendo essa realidade aqui para o nosso país, o Brasil é o país campeão, com o MAIOR índice de ANSIEDADE no MUNDO, com 9,3% da população, e o MAIOR na AMÉRICA LATINA com 5,8% da população (OMS, 2017).

Como lidar com o estresse?

Nos últimos 50 anos, cientistas vem pesquisando as diferentes formas de meditação. As pesquisas continuam e só aumentam nos dias de hoje. Nestas pesquisas surgem descobertas incríveis, comprovando tantos benefícios que a meditação proporciona às pessoas há muitos séculos.

Vou citar apenas alguns aqui, os quais já julgo suficientemente importantes para você praticar:

Diminuição do Cortisol (hormônio do estresse)

Diminuição da ansiedade

Diminuição da Insônia

Aumento da capacidade de focar

Aumento da Serotonina (hormônio do bem-estar)

 

Sim, a vasta maioria das pessoas pode meditar. Basta você ser capaz de pensar, que você pode meditar. Pessoas que não conseguem pensar, não podem meditar. Por exemplo, pessoas com Alzheimer em estágios avançados ou com algum distúrbio cerebral mais severo.

 

MITOS:

Não vou conseguir ficar sem pensar: Lembre-se que meditar NÃO é ficar sem pensar.

Não consigo cruzar minhas pernas: Lembre-se que para meditar você NÃO precisa cruzar as pernas.

Não tenho tempo: Lembre-se que para meditar você precisa de poucos minutos por dia!

 

Pesquisar e praticar diferentes meditações guiadas (em APPs ou YouTube) é um bom começo para quem nunca fez meditação. Esse processo vai te proporcionar entender e sentir o que é uma meditação. Isso vai te possibilitar vislumbrar possíveis caminhos para um aprofundamento. Lembre-se de meditar com diferentes práticas guiadas para ter uma noção variada das técnicas.

Após ter experimentado diferentes práticas guiadas, e querendo continuar praticando, sugiro que você busque um curso de meditação para iniciantes. Neste curso, você deverá aprender uma ou mais técnicas de meditação, receberá instruções de como prosseguir praticando em seu dia-a-dia, e o que esperar de cada técnica.

Quando você estiver praticando essa técnica, que aprendeu diariamente, por alguns meses, você poderá buscar técnicas e conhecimentos para estudar e aprofundar sua experiência e entendimento.

O segredo para obter os benefícios está na prática diária.Medite sobre isso.

Escrito por Andre Elkind.

André é especialista em Liderança Consciente e Gestão do Estresse. Fundou a Mantri em 2013 para ajudar pessoas e organizações a implementarem uma vida mais consciente, saudável e produtiva, usando diferentes ferramentas de autoconhecimento, presença e liderança. André iniciou suas práticas de meditação, yoga e respiração em 1991. Formado em Gestão de Negócios pela Maharishi International University (EUA, 1997). André estudou também Liderança Védica, Ciência Védica, Ayurveda, Estados Elevados de Consciência, Psicologia Védica e Técnicas Avançadas de meditação transcendental. Até 2013, André atuou nos EUA e Brasil como executivo em Varejo, Segurança Alimentar, Tecnologia e Inovação Consciente.

Buscar